28 de Agosto, 2019

Revista italiana “Lei Settimanale” publica matéria sobre Padre Donizetti

A revista contou a história do Padre Donizetti, seus feitos em vida e demais curiosidades, além de mencionar sua beatificação no Brasil

A Revista italiana “Lei Settimanale” publicou uma matéria em sua seção religiosa, no dia de hoje (28), sobre a vida do Padre Donizetti Tavares de Lima. Contando desde sua infância e escolha do nome, a publicação citou grandes feitos na vida do sacerdote e sobre o anúncio da beatificação neste ano.

Confira a matéria traduzida na íntegra:

O Beato Donizetti Tavares de Lima

A vida de Donizetti Tavares de Lima, nascido em 3 de janeiro de 1882 na cidade de Cássia, no Estado de Minas Gerais, em Brasil, abraçou os últimos anos da Monarquia (1882-1889) e um longo período da República (1889-1961). O pai Tristano era um valente pianista e um amante da música, a tal ponto que os filhos tinham por nome, o sobrenome de grandes compositores (Donizetti, Rossini, Bellini, Mozart, Verdi). E, cada um deles se tornaram músicos mesmo trabalhando em profissões diferentes. Donizetti, pianista o organista, se manteve aos estudos dando aulas de música em seminário e tocando Órgão na Igreja.

Descoberta a vocação, foi ordenado sacerdote em 12 de julho de 1908. Trabalhou na pastoral de São Caetano Jaragui, em Vargem Grande do Sul e foi nominado pároco em 1926 em Tambaú. A sua dedicação e ardor para conseguir os direitos do povo e combater os abusos, em muitos casos, fizeram ele semelhante a Don Camilo de Giovanni Guareschi. Começou um intenso apostolado e exercitou uma notável influência sobre a vida social da cidade.

Incontáveis podem ser os exemplos a reportar. A fala de uma rede hídrica e rede de esgoto foi um dos tantos problemas públicos que levantou com a administração, até que pudesse haver água corrente e saneamento básico.

EMPENHO E DEDICAÇÃO

Trabalhou sem medir esforços aos pobres, aos mais velhos, aos doentes e crianças. Tambaú, na zona de alta produção de café, contava com muitas mortes nas lavouras, devido às mordidas das jararacas, piores do que as das víboras.

Donizetti, na tentativa de resolver esta praga fez um acordo com o Instituto Butantã, o maior centro de produção de soros e vacinas para a peste de São Paulo: eles garantiram o fornecimento contínuo de serpentes e aranhas venenosas necessárias para fazer os antídotos em troca das vacinas. As perguntas do diretor: <<Mas, Reverendo, sabe como capturar estes animais sem sermos vítimas?>> O sacerdote deu uma bela risada: <>. Dotado de poderes paranormais, casualmente as pessoas descobriam o seu poder taumatúrgico dos gestos de bênção e, entre o final de 1954 e os primeiros quatro meses de 1955, foram a Tambaú cerca de três milhões de pessoas. Foi ele mesmo que interrompeu o fanatismo popular e a pôr fim aos peregrinos com a última bênção dada em 30 de maio de 1955. Ele morreu santamente em Tambaú, em 6 de junho de 1961. Em outubro de 2019 será proclamado beato.

Passarelli, Donizetti Tavares de Lima, o taumaturgo, Perugia, Graphe.it Edizioni, 2017.

Por: Amex Assessoria | Tradução: Gabriela Parron
Matéria "Lei Settimanale"